“A Ucrânia é o nosso celeiro e os preços já estão a disparar”, alerta sector agroalimentar português – Expresso

“A Ucrânia é o nosso celeiro (para as rações animais) e os preços já estão a disparar, pressionados pelo conflito com a Rússia”, diz ao Expresso Jaime Piçarra, secretário-geral da IACA – Associação Portuguesa dos Alimentos Compostos para Animais, preocupado com um cenário de “tempestade mais do que perfeita” em que o conflito vem pressionar preços que já estavam a ser puxados em alta devido à quebras de produção motivadas pela seca e aos aumentos dos custos de matérias-primas e fatores de produção, energia incluída.

Para dar uma ideia clara do peso da Ucrânia no que respeita às rações animais, Jaime Piçarra precisa que apesar deste país ser apenas o 35º fornecedor nacional, “responde por 40% do milho que importamos, à frente do Brasil, e cerca de 50% da colza, uma proteína importante usada na farinha para alimentação animal, e é também muito importante na resposta às necessidades de fertilizantes, fósforo e azoto”.

Assim, não tem dúvidas de que o conflito entre a Rússia e a Ucrânia representa “um fator de agravamento das dificuldades de um sector que já vivia momentos difíceis  “devido à seca e às subidas acentuadas de preços, na ordem dos 25%, no último ano, agora a acelerar”. 

Matérias-primas são 80% do preço das rações

Os preços aos clientes também sobem, o que faz subir o preço da carne e do leite,  mas “continuam a não refletir o aumento assumido pela indústria”, garante, antes de sublinhar que “80% do preço das rações é matéria-prima”.

E no futuro próximo, há outros fatores de agravamento deste cenário, uma vez que “a seca no Brasil já provocou uma significativa quebra na produção de soja e todos os relatórios falam de colheitas abaixo das estimativas iniciais”.

No caso da Ucrânia, o maior fornecedor de milho a Portugal, as importações totais do país são de 296,5 milhões de euros, com os cereais a absorverem mais de metade deste valor (159 milhões de euros), mas o peso das gorduras e óleos animais e vegetais (33 milhões de euros), com destaque para o óleo de girassol, assim como o das sementes e frutos oleaginosos (26 milhões de euros), segmento que tem como protagonistas o nabo e a colza, também é relevante, como explicou ao Expresso Deolinda Silva, diretora-executiva da Portugal Foods.

Espaço à especulação bolsista

Já Idalino Leão, presidente da Fenalac – Federação Nacional das Cooperativas de Produtores de Leite, insiste que “os recentes acontecimentos de tensão entre a Rússia e a Ucrânia vieram acrescentar ainda mais incerteza ao já instável mercado de matérias-primas e aumentar a pressão sobre os preços de produtos essenciais às rações animais”.

“De facto, desde o fim de 2020 que o mercado tem sido assolado por um conjunto de acontecimentos que têm aumentado enormemente o preço das matérias-primas”, destaca. E concretiza: “Tendo como pano de fundo a situação pandémica da covid-19, houve um crescente aumento das importações da China, o aumento dos custos de transporte, a que se vieram somar duas campanhas sul-americanas fracas, que levaram à redução dos stocks a nível global”.

Assim, voltamos a chegar à questão dos preços. Com o mercado em grande tensão, a entrada da especulação bolsista acabou por inflacionar ainda mais as cotações nos mercados, como mostra esta tabela da Fenalac com a evolução dos preços que as empresas do sector pagam por algumas matérias-primas críticas no último ano.

Idalino Leão salienta que “desde dezembro do ano passado que a seca – provocada pela famosa la niña – tem assolado a América do Sul, principalmente a Argentina, e teve um enorme impacto na recente escalada de preços”. E explica que  a previsão inicial dos especialistas de que a campanha atualmente em curso seria recordista e iria repor os stocks mundiais de milho e soja, estabilizando os preços, não se concretizou.

Aliás, o passado recente tem sido marcado por “cortes sistemáticos nas previsões da campanha” e é neste enquadramento que o conflito Rússia – Ucrânia veio acrescentar “ainda mais tensão e instabilidade ao mercado, proporcionando terreno fértil para a especulação bolsista”, atendendo à importância da Rússia como fornecedor mundial de energia e ao facto de ser o maior exportador mundial de trigo, enquanto a  Ucrânia é o maior produtor mundial de girassol, o sexto em milho e cevada,  o sétimo em colza e nono em trigo e soja. 

“Globalmente, a Ucrânia representa 14% das exportações mundiais de milho e trigo e tem-se afirmado como um dos principais fornecedores de matérias-primas da Europa Ocidental”, Portugal incluído.

Como os preços sobem ainda mais

Desde meados de janeiro, com a crescente preocupação dos operadores do mercado relativamente ao evoluir da situação Rússia-Ucrânia,  “a cotação dos cereais, principalmente o trigo e milho, tem sofrido especial impacto e arrastado todas as outras matérias-primas”.

E à tabela de preços junta dados atualizados já em função do conflito: Só na última semana, diz, houve subidas de 15 euros por tonelada no milho, trigo e cevada, de 20 euros por tonelada no bagaço de soja, de 10 euros a tonelada no bagaço de colza, de 15 euros a tonelada no bagaço de girassol e de 150 euros a tonelada no óleo de soja.  

Como presidente da Fenalac e da Fenapecuária, admite que o preço do leite e da carne “tem obrigatoriamente que subir, pois os preços praticados hoje não cobrem os custos de produção”.

We want to give thanks to the writer of this article for this outstanding content

“A Ucrânia é o nosso celeiro e os preços já estão a disparar”, alerta sector agroalimentar português – Expresso

Travors